Advogado diz que estudantes devem passar fim de semana na prisão – Entrevista concedida pelo Dr. Pedro Iokoi à Folha de SP.

http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2012/06/15/advogado-diz-que-estudantes-devem-passar-fim-de-semana-na-prisao.jhtm

 

O advogado de uma dos alunos presos após manifestação e tumulto no campus de Guarulhos da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) na noite de ontem (14) disse que os estudantes devem passar o final de semana na cadeia. Video mostra confronto entre PM e estudantes em Guarulhos Polícia vai indiciar 22 alunos após protesto e tumulto na Unifesp Grupo de estudantes da Unifesp protesta em frente à PF em SP Protesto de alunos da Unifesp termina em tumulto em Guarulhos Pedro Ivo Iokoi disse que só poderá decidir a estratégia de defesa de sua cliente, a estudante Laisy Cruxem, após o auto de prisão em flagrante ser concluído. Ele disse que tentará apelar para o plantão judicial e criticou a dificuldade que está tendo para ter acesso ao auto. Segundo o advogado, não houve constrangimento aos professores e que não se pode falar em formação de quadrilha. “Não dá para falar que todos tiveram a intenção de cometer algum dano, nem é possível dizer que eles fazem isso com frequência”, disse Iokoi. A defesa acredita que o caminho mais fácil para libertar os presos é conseguindo a liberação de Laisy primeiro, já que o vídeo divulgado pelos estudantes que estavam na manifestação mostra ela sendo agredida por um policial durante a detenção Estudantes da Unifesp são detidos na PF Durante toda a manhã estudantes, PMs e funcionários da universidade foram ouvidos. Os 22 alunos presos serão encaminhados ainda na tarde de hoje para o Centro de Detenção Provisória de Pinheiros e de Santana. Estudantes da universidade estão desde a madrugada de hoje em frente a sede da Polícia Federal, na Lapa (zona oeste de São Paulo), onde foram detidos os 25 estudantes ­­três deles serão liberados.

PRISÕES

Cerca de 25 estudantes foram detidos na noite de ontem (14) no campus de Guarulhos, após uma manifestação que resultou em confronto entre estudantes e policiais militares. Eles pediam pelo fim da repressão e melhorias no campus da universidade. De acordo com nota da PM, professores e funcionários acionaram a polícia e afirmaram que os estudantes tentavam invadir o prédio “de forma violenta”. Quando os policiais chegaram no local, foram recebidos com pedras e pedaços de madeiras. Segundo estudantes da universidade, o grupo chegou a invadir o prédio por alguns minutos, mas saiu logo em seguida. Imagens divulgadas pela PF mostram as paredes do prédio da diretoria pichadas e os vidros quebrados. Em nota, a Unifesp afirmou que os estudantes “intimidaram” o diretor acadêmico e professores que estavam no prédio e “depredarem as instalações do campus aos gritos de ocupação”. A universidade informou que “está procurando, de todas as formas, solucionar os problemas e recolocar o campus Guarulhos em situação de normalidade” e acrescentou que “a invasão do campus, com depredação do patrimônio público e constrangimento ilegal não é forma de manifestação ou reivindicação”. Uma perícia do prédio da diretoria foi feita para constatar os danos ao patrimônio da universidade, segundo a PF. Dentre os 22 estudantes presos e indiciados, 14 deles já haviam sido detidos na PF no dia 6, quando aconteceu a reintegração de posse do campus da universidade.